águas na cidade

Fernanda Noruega Rodrigues, Leonardo Bicalho Polizzi, Lucas Neves Dias, Lucas Santos Nogueira, Renata da Silva Oliveira, Roberto Eustaáquio dos Santos

A contribuição do Projeto Águas na Cidade para a Mostra Córregos Vivos se dá a partir de três aspectos:

 

CADERNETAS: apresenta o primeiro registro sistemático do terreno da bacia do Cercadinho, feito pela Comissão Construtora da Nova Capital em 1894. As cadernetas 337 e 338 trazem o levantamento da Fazenda do Cercadinho que ali existia então.

 

MORAR NA BACIA: explora os modos de morar na bacia em três momentos. Dados contidos na caderneta 337 da Comissão Construtora da Nova Capital sustentam um exercício de imaginação acerca de como era viver às margens do Cercadinho no final do século XIX. Observações diretas em 2020 registram a complexidade e a variedade da ocupação da bacia hoje. Fragmentos da paisagem urbana são indícios que instigam a imaginação dos futuros da bacia.

 

BACIA: trata de situar e delimitar a bacia do córrego do Cercadinho e de explicar o comportamento das águas de chuva no interior da bacia a partir dos elementos morfológicos de seu relevo.

 

O Projeto Águas na Cidade faz parte do grupo de Pesquisa Morar de Outras Maneiras, sediado no Departamento de Projetos e no Núcleo de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Escola de Arquitetura da UFMG.

Este projeto foi realizado com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte. Projeto nº1243/2017.

fale com o projeto:

corregosvivos@gmail.com