biblioteca

Cercadinho,
Belo Horizonte

A cidade e as bacias hidrográficas: uma discussão a partir de um estudo de caso 

 

Tânia Maria de Araújo Ferreira, s/ano. Artigo.

“O objetivo deste trabalho é apresentar um estudo do espaço urbano da sub-bacia do médio Cercadinho, enfocando a evolução da ocupação da área construída, afim de contribuir para a discussão sobre a análise urbana por meio das bacias hidrográficas como unidade espacial.” Acesse o PDF!

A questão ambiental numa trajetória histórica: a microbacia do córrego do Cercadinho de Belo Horizonte como estudo de caso

 

Luís Eugênio Paulino de Mendonça, 2007. Dissertação de Mestrado.

“Tomando como exemplo a evolução histórica da questão ambiental, o objetivo principal deste trabalho é verificar a possibilidade do uso da unidade microbacia hidrográfica urbana como parâmetro para o planejamento de sua ocupação, além de ponto de partida para uma gestão ambiental e um programa de educação ambiental local.” Acesse o PDF! 

Após noite de susto e carros arrastados, bairro Buritis amanhece com lamaçal e via danificada

 

Portal Hoje em Dia, 2020.

As chuvas que atingiram a cidade de Belo Horizonte no início de 2020 mais uma vez trouxeram à tona os efeitos de um urbanismo que priorizou o tamponamento dos rios como solução para a cidade. A reportagem do jornal Hoje em Dia apresenta registros dos estragos provocados pelo transbordamento do Córrego do Cercadinho, no bairro Buritis. Acesse online!

Cercadinho vivo: por um córrego limpo

 

O projeto Cercadinho Vivo surgiu como um projeto de extensão do curso de Geografia da UniBH, com o objetivo de resgatar informações sobre o córrego, promover o diálogo sobre tema e acompanhar e intervir na qualidade do curso d’água ao longo da microbacia do Cercadinho. Hoje continua como um projeto independente, e conta com o apoio do Projeto Manuelzão, SCBH Arrudas e parceiros das comunidades. Acesse a página!

Diagnóstico do risco ambiental da bacia do córrego do Cercadinho, Belo Horizonte/MG: correlação dos seus aspectos físicos e demográficos

 

Liliane Barbosa et al. XIII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Viçosa, 2009.

“O objetivo deste trabalho foi realizar a análise das características físicas da bacia e correlacioná-las com uma base de dados demográficos, a fim de verificar os diferentes usos e ocupações e mapear as áreas de propensão para a expansão urbana. A relevância deste artigo consiste no levantamento dos impactos da urbanização na região da bacia do Córrego do Cercadinho de modo a evitar que ocorram novos processos de ocupação em áreas consideradas de risco.” Acesse o PDF!

Modelo hidrogeológico conceitual do alto curso do Córrego Cercadinho

 

Giancarlo Ramos Lopes et al. VI International Congress of Subsurface Environment. Belo Horizonte, 2019.

“A porção superior da bacia do córrego Cercadinho apresenta um elevado potencial hídrico subterrâneo de interesse para o abastecimento de Belo Horizonte. (...) Diante desse contexto, o objetivo geral do trabalho consiste na elaboração de um modelo hidrogeológico conceitual da área, compreendendo a identificação das nascentes perenes do manancial, a estimativa do balanço hídrico e a definição da dinâmica de fluxo da água subterrânea.” Acesse o PDF!

Observando os Rios

 

O Observando os Rios é um projeto que reúne comunidades e as mobiliza em torno da qualidade da água de rios, córregos e outros corpos d'água das localidades onde elas vivem. A iniciativa é aberta à população. Em Belo Horizonte o Grupo Newton, coordenado pelo professor Luciano Faria, monitora os córregos Cercadinho e Ponte Queimada, a partir de análises e avaliações sobre a qualidade da água no local. Saiba mais!

Projeto ambiental nascente Ponte Queimada

 

Projeto comunitário de proteção e monitoramento ambiental da nascente do córrego Ponte Queimada, integrante da microbacia do córrego Cercadinho. Acesse a página!

 

   

Qualidade das águas em mananciais para abastecimento doméstico e industrial inseridos em áreas urbanas. Estudo de caso: Córrego Cercadinho em Belo Horizonte – MG.

 

Lília Maria de Oliveira. X Simpósio Brasileiro De Geografia Física Aplicada. Rio de Janeiro, 2003.

“Mananciais para abastecimento de grandes centros urbano, muitas das vezes acabam tendo suas áreas de cabeceira ocupadas pela construção de bairros, condomínios e/ou obras de infra-estrutura (...) O presente trabalho trata da caracterização da qualidade das águas do córrego Cercadinho, na APE Cercadinho. Os dados de qualidade das águas, analisados com base na legislação estadual, foram obtidos do monitoramento realizado pela COPASA a montante do ponto de captação do Cercadinho.” Acesse o PDF!

Planta da antiga Fazenda do Cercadinho


Documento histórico da Comissão Construtora da Nova Capital mostra como era ordenado o território da Antiga Fazenda do Cercadinho. Acesse online!

 

águas urbanas


 

Água em meio urbano, favelas nas cabeceiras

 

Margarete Maria de Araújo Silva. Belo Horizonte, 2013. Tese de Doutorado. 

“A atual crise socioambiental das cidades brasileiras inclui dois fatores historicamente negligenciados, que apenas recentemente ganharam alguma prioridade nas políticas públicas: as favelas e as águas urbanas. Esta tese discute a relação dialética entre tais fatores na economia política das cidades, tomando por contexto empírico a cidade de Belo Horizonte e, mais especificamente, a bacia hidrográfica do ribeirão Arrudas.” Acesse o PDF! 


 

Águas urbanas e urbanismo na passagem do século XIX ao XX: o trabalho de Saturnino de Brito

 

Nilo de Oliveira Nascimento, Jean-Luc Bertrand-Krajewski e Ana Lúcia Britto. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais nº 20, 2013. p. 103 a 126.

Esse artigo busca refletir sobre as contribuições do engenheiro Francisco Saturnino de Brito sobre saneamento e urbanismo no Brasil. De acordo com os autores, Saturnino de Brito distingue-se por sua capacidade de associar ricas reflexões em urbanismo com notável e inovadora competência técnica em saneamento. Acesse o PDF!


 

As águas de Belo Horizonte

 

Blog Lei.A, 2020.

Série de reportagens do blog Lei.A que trata da água e do abastecimento humano na Região Metropolitana de Belo Horizonte, abordando como a situação de colapso hídrico se aproxima da capital. Acesse o conteúdo online!


 

Arraial de Belo Horizonte: a ruralidade da nova capital de Minas 

 

Alessandro Borsagli, 2019. Belo Horizonte: Ed. Autor.

Construída sobre o sítio que abriu o antigo Curral del Rey e seu arraial, Belo Horizonte ainda conserva em sua paisagem elementos que remetem à ruralidade de um passado não muito distante. “Arraial de Belo Horizonte” busca, através de uma larga documentação textual, fotográfica e cartográfica, analisar as origens da capital a partir do estudo das antigas propriedades rurais, desapropriadas pela Comissão Construtora em 1894. Leia online!


 

A relação da cidade com os rios

 

Revista do Arquivo Público de Belo Horizonte, dezembro, 2019.

O dossiê “A relação da cidade com os rios” é uma coletânea de artigos que buscam promover discussões acerca de como a sociedade se relacionou com os rios de Belo Horizonte, desde a criação da cidade até os dias de hoje. Leia online!


 

Belo Horizonte underground: os sistemas de saneamento e as canalizações dos cursos d'água da Nova Capital de Minas Gerais

 

Danilo de Carvalho Botelho Almeida, 2018. Dissertação de Mestrado.

“A hipótese desta dissertação é que a escolha do sistema de saneamento para Belo Horizonte, feita pela Comissão Construtora da Nova Capital - CCNC foi fator determinante para um processo recorrente de canalização e tamponamento dos cursos d’água em meio urbano, hoje quase em sua totalidade suprimidos da paisagem. Assim, a pesquisa se debruçou sobre as disputas teóricas e técnicas acerca da escolha do sistema de saneamento para a Nova Capital mineira.” Acesse o PDF!


 

Contribuição para revisão do Plano Diretor de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas: o impacto da mineração no Alto Rio das Velhas

 

Lilian Rosa Magalhães, 2010. Monografia de Especialização.

“Este trabalho analisou o impacto da mineração no Alto rio das Velhas, a partir das informações do cadastro de usuários e outorgas do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM) e outras informações secundárias, comparando-as às demandas previstas no Plano Diretor de Recursos Hídricos do Velhas.” Acesse o PDF!


 

Curral del Rey

 

Projeto destinado a promover o resgate da memória, a discussão e a reflexão sobre o processo de desenvolvimento urbano de Belo Horizonte, antiga Curral del Rey, sob a perspectiva da geografia histórica. Reúne um largo acervo de fotografias e informações sobre a construção de Belo Horizonte, mapas, revistas e estudos para download, além de uma sessão dedicada aos rios urbanos da capital. Acesse o site!


 

Da memória para a história 

 

Escola Americana de Belo Horizonte, 2017.

Mais que fatos e curiosidades sobre a Escola Americana de Belo Horizonte, “Da memória para a história” traz para o conhecimento público um riquíssimo acervo sobre criação, desenvolvimento e história do bairro Buritis e de Belo Horizonte. São fotos, documentos e mapas, desde o nascimento da capital como Curral d’el Rei, passando pelo surgimento do Buritis a partir da Fazenda do Cercado, a mudança da Escola Americana de Belo Horizonte para o bairro, até os dias de hoje. Acesse o PDF!


 

Horizontes Fluviais 

 

Alessandro Borsagli e Rodrigo Guedes Braz Ferreira, 2018. Belo Horizonte: Ed. Autor.

“Horizonte Fluviais” é um livro que traz imagens e histórias inéditas sobre os cursos d’água de Belo Horizonte. Busca retratar as águas belorizontinas a partir de inúmeras perspectivas e situações, desde o leito natural até a máxima urbanização e degradação. Compre o livro!


 

Manifesto sobre a fundamentação geológica de sistemas de drenagem urbanos

 

Edézio Teixeira Carvalho, 2009.

Neste manifesto, o geólogo Edézio Teixeira discorre sobre a necessidade de se conhecer os meios urbanos de forma integral, “no acoplamento do edificado ao terreno do seu sítio, à sua plataforma geológica”. Sob essa perspectiva, cada cidade é um exemplar único de cidade e, portanto, a repetição de soluções de sistemas de drenagem padronizadas jamais vai dar conta de resolver às questões às quais se propõe. Leia online!


 

Metrópole Fluvial 

 

Grupo de ensino, pesquisa e extensão da FAU/USP que tem como objetivo o estudo, fomento e difusão da cultura de projeto de arquitetura de infraestruturas de cidades fluviais. Dentre os trabalhos realizados, destaca-se a colaboração com os estudos de pré-viabilidade do Hidroanel Metropolitano de São Paulo, em parceria com o governo do estado de São Paulo. No site você encontrará publicações, mapas, textos, projetos, dentre vários outros arquivos desenvolvidos pelo grupo. Acesse o site!


 

O saneamento na cidade de São Paulo: fatos e personagens

 

Revista DAE vol. 62, nº 196, 2014.

Edição especial da revista DAE, uma publicação quadrimestral da Sabesp, traz 5 artigos que buscam refletir sobre a relação entre história, sociedade e infraestrutura sanitária na cidade de São Paulo. Acesse o PDF!


 

Os planos de Saturnino de Brito para Belo Horizonte

 

O projeto “Mapa Histórico Digital BH” tem por objetivo resgatar e mobilizar conhecimentos sobre o processo histórico-espacial de construção da Nova Capital de Minas Gerais. Dentre os trabalhos realizados, destaca-se o estudo sobre o plano do engenheiro Saturnino de Brito para Belo Horizonte, através da espacialização de sua proposta em paralelo com os planos originais de Aarão Reis. Acesse os mapas online!


 

Rios Invisíveis da Metrópole Mineira 

 

Alessandro Borsagli, 2016. Belo Horizonte: Ed. Autor.

O livro traz mapas, manuscritos e fotografias inéditas que contam a história da cidade de Belo Horizonte a partir da história de seus córregos, com a intenção de promover o (re)conhecimento do que se perdeu ao longo dos anos com o processo de desenvolvimento da capital. Compre o livro!


 

Rios Urbanos de Belo Horizonte 

 

Alessandro Borsagli, 2020. Belo Horizonte: Ed. Autor.

“Rios Urbanos” aborda, a partir da perspectiva geográfica-histórica, as bacias hidrográficas dos córregos do Acaba Mundo, Serra e Leitão, trazendo à luz imagens, mapas e fatos que levaram ao desaparecimento da paisagem urbana da rede hidrográfica que atravessa a zona urbana planejada de Belo Horizonte. Compre o livro!


 

Os rios e o desenho da cidade: proposta de projeto para a orla fluvial da grande São Paulo

 

Alexandre Delijaicov, 1998. Dissertação de Mestrado.

Em sua dissertação de mestrado, Alexandre Delijaicov busca elaborar uma “(...)proposta de reestruturação do ambiente da orla fluvial da Metrópole de São Paulo e apresentar idéias de projeto para integração urbanística entre os rios e o desenho da cidade.” Acesse o PDF!


 

Políticas públicas de manejo de águas pluviais em Belo Horizonte: novos caminhos em meio a velhas práticas

 

Cristiane Borda Pinheiro, 2019. Dissertação de Mestrado.
“Esta pesquisa visou identificar os desafios para a implementação deste paradigma emergente na contemporaneidade referente à gestão das águas pluviais urbanas no contexto brasileiro. Apesar do discurso ambiental de valorização das águas urbanas estar bastante difundido no país, as obras seguem orientadas majoritariamente pelo conceito tradicional de drenagem urbana, baseado no viés higienista de canalização dos cursos de água e de evacuação rápida das águas pluviais.” Acesse o PDF!

 
 

gentes ribeirinhas


 

Associação de Pescadores de Barra de Jangada – APBJ

 

Associação de pescadores fundada em 2003 e localizada à margem da foz do Rio Jaboatão, em Barra de Jangada, Jaboatão dos Guararapes – PE. Desde 2011, os pescadores de Barra de Jangada estão sob ameaça de perderem a área onde se localiza a sede da associação em razão de Construtoras alegarem serem proprietárias dessa. Acesse a página!


 

Cartografar controvérsias sobre palafitas

 

Fruto da pesquisa de mestrado de Luana Rocha, “Cartografar controvérsias sobre palafitas” é um site que mobiliza conhecimentos sobre as ocupações informais de áreas de ressaca na cidade de Macapá. Busca descrever as práticas e relações sociotécnicas na produção de uma ocupação informal  em  palafitas  à  luz  da ação direta  e  luta  institucional. Acesse o site!


 

Narrar é resistir

 

Coletânea online de narrativas ribeirinhas pelo Rio das Velhas e seus afluentes. O projeto Narrar é Resistir foi idealizado pelo coletivo Orla, uma articulação entre movimentos que atuam na região de Venda Nova - Belo Horizonte, que visam sensibilizar, integrar e mobilizar comunidades ribeirinhas a fim de potencializar o debate e ações que promovam saúde pública, qualidade de vida, pertencimento, consciência ambiental e valorização cultural. Acesse o site ou ouça o podcast no Spotify!


 

Provocações da Amazônia: dos rios voadores aos voos imaginários

 

Mariluci da Cunha Guberman (organização), 2015.

Esta obra trata de variados aspectos relacionados ao rio Amazonas: desde questões de preservação ambiental, passando por reflexões das Ciências Humanas e Sociais, até aspectos culturais relativos a memórias e imaginários que cercam esse rio. Nessa perspectiva, propõem-se análises de relatos de viajantes, crônicas historiográficas, mitos presentes no imaginário das populações ribeirinhas, assim como a produção literária brasileira e latino-americana que tem o rio como referência. Compre o livro!


 

Salve Barra de Jangada


Coletivo criado pela defesa da comunidade de pescadores de Barra de Jangada, em Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco, sob ameaça de remoção desde 2011 por construtoras e iniciativas privadas. Acesse a página!

bichos


 

Ecoavis

 

Organização sem fins lucrativos com a missão de estimular, por meio da prática da observação de aves, um maior contato com a natureza. Através de ações, encontros, cursos e palestras, busca estimular a prática da observação de aves e incentivar sua inclusão na cultura da população, servindo como instrumento de difusão de conhecimento em prol da defesa do meio ambiente. Acesse o site!


 

NuVelhas


O Núcleo Transdisciplinar e Transinstitucional pela Revitalização da bacia do Rio das Velhas – NuVelhas, faz parte do Projeto Manuelzão, da UFMG. Neste Núcleo, uma equipe de biólogos, geólogos e geógrafos buscam soluções conjuntas para os problemas da bacia. Dentre os estudos realizados, destaca-se o estudo dos peixes como bioindicadores na Bacia do Velhas. Saiba mais!

 
 

verdejantes


 

Jardins possíveis

 

Jardins Possíveis é uma pesquisa que procura entender como os jardins contribuem para pensar a cidade integradamente. Parte da pesquisa de doutorado de Luciana Bragança, busca levantar a ocorrência de jardins urbanos em Belo Horizonte, analisando o espaço por eles proporcionados e seu papel como desencadeadores de novas territorialidades. Acesse o site!


 

O plantador de árvores

 

Portal UOL, 2020.

A história do Senhor Hélio, que plantou 25 mil árvores e deu início ao Parque Tiquatira, 1º parque linear da cidade de São Paulo. Leia a reportagem!


 

Rotas e diálogos de saberes da etnobotânica transatlântica negro-africana: terreiros, quilombos, quintais da Grande BH

 

Angela Maria da Silva GOMES, 2009. Tese de Doutorado.

“O tráfico de africanos no Atlântico representou não só o traslado de pessoas, mas também de saberes que promovem o intercâmbio entre culturas e plantas na diáspora. (...) Traça-se uma rota cultural, do transatlântico África-Brasil, desses saberes etnobotânicos, do período escravista -até a atualidade, em diferentes territorialidades, desde os terreiros de candomblé, os quilombos até os quintais de vilas e favelas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH)”. Acesse o PDF!


 

Saiba como o desmatamento na Amazônia afeta Santa Catarina 

 

Portal NSC Total, 2019.

Fundamental para regular o clima global, impacto da floresta amazônica em Santa Catarina vai da previsão do tempo aos produtos que você compra no mercado. Leia a reportagem e saiba mais!

disputas


 

As águas do Brasil na mão do cassino financeiro

 

Blog Outras Palavras, 2020. 

Bancos sem nenhuma experiência em saneamento preparam-se para assumir controle dos serviços, em operações obscuras e de rapina. Acesso dos mais pobres fica ainda mais distante. Tarifas subirão. Mananciais ameaçados. Leia a notícia completa!


 

Como os rios aéreos colaboram com o Brasil agrícola

 

Blog Canal Rural, 2017.

Rios aéreos ou rios voadores são imensas massas de vapor de água que circulam invisíveis sobre nossas cabeças, propelidos pelos ventos. A umidade contida nesses rios precipita na forma de chuva, quando encontra condições meteorológicas propícias. Saiba mais!

 

Revista Velhas nº 11

 

CBH Velhas, abril, 2020.

A Revista Velhas nº11 é uma publicação do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas. Traz informações, reportagens e dados  a respeito dos temas centrais que perpassam o território da bacia do Velhas. Leia online!


 

Revista UFMG v.20 nº2: Águas

 

Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

Vista sob diversos prismas, a água é fundamento da vida e elemento constituinte do planeta. Essa edição especial da Revista UFMG traz uma coletânea de artigos que visam aprofundar o conhecimento sobre as múltiplas formas de apreensão, conservação, uso e apropriação da água em várias dimensões e escalas. Acesse o PDF! 


 

Terra comum


Grupo de pesquisa que envolve a criação de trabalhos, debates e questionamentos em busca de outros modos de ocupar e usar a terra, para além do princípio estrutural da propriedade. Terra comum se pauta na crença no atraso, na terra, no ar e no subsolo comuns como uma forma de resistência ao desenvolvimentismo. Acesse o site!

 

mobilização social


 

Associação Arquitetas sem Fronteiras – ASF

 

Arquitetas sem Fronteiras – ASF Brasil é uma associação fundada em 2003, formada por profissionais de diversas áreas do conhecimento a serviço de demandas coletivas da cidade e do campo e em defesa da cidadania e dos direitos humanos. Acesse a página!


 

Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social – AEDAS

 

Criada no ano 2000 pelos moradores da comunidade de Casa Nova no município de Guaraciaba (rio Piranga, afluente do rio Doce), ameaçados pelo Projeto Hidrelétrico de Pilar, a AEDAS passa a partir de 2008 a ter um caráter estadual, articulando e organizando comunidades ameaçadas e atingidas por barragens de todo o estado. Acesse o site!


 

Avaliação do projeto de valorização de nascentes urbanas na bacia hidrográfica do Ribeirão do Onça: o impacto na percepção social de duas nascentes

 

Natalia Caceres et al, 2018. Revista Caminhos de Geografia, v. 19 n. 67, 2018

“O presente artigo apresenta os resultados de uma pesquisa qualitativa que avaliou a apropriação social das intervenções físicas e paisagísticas efetuadas em duas das nove nascentes compreendidas na segunda etapa do projeto "Valorização de nascentes urbanas na bacia do ribeirão do Onça", o qual foi formulado e desenvolvido pelo Subcomitê da bacia hidrográfica do Onça (Região Metropolitana de Belo Horizonte-MG).” Acesse o PDF!


 

Instituto Guaicuy

 

O Instituto Guaicuy desenvolve ações ambientais, culturais e educativas voltadas para a preservação e recuperação ambiental, promoção da saúde e cidadania. Acesse o site!

 
 
Movimento Águas e Serras de Casa Branca


Grupo de moradores do distrito de Casa Branca, Brumadinho – MG, que lutam pela preservação da região, questionando atos de mineradoras, corporações, condomínios irregulares e o próprio poder público. Em defesa das águas, das serras, das nascentes, dos seres vivos e da natureza. Acesse a página!

Movimento salve Maracaípe

 

O Salve Maracaípe é um movimento sócio ambiental voluntário que nasceu em 2008, no Município de Ipojuca, Estado de Pernambuco. O propósito do movimento é a conservação da natureza, focado principalmente na região marinha: estuários, mangues, praias, recifes de corais, oceano e todos os seus ecossistemas. Acesse a página!


 

Projeto Manuelzão

 

Com mais de 20 anos de atuação, o Manuelzão nasceu como um projeto de ensino, pesquisa e mobilização social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A partir da percepção de professores do curso de medicina da UFMG de que era preciso entender as causas das doenças das pessoas que vivem onde a universidade atua e não apenas tratar os sintomas, o Projeto Manuelzão busca a revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas. Acesse o site!


 

Projeto Recapibaribe

 

Movimento de proteção do rio Capibaribe, na cidade do Recife. A sede é o Capibar, uma casa-bar localizada à beira do rio que também recebe escolas, empresas e faculdades para a realização de ações em prol da conscientização, mobilização e defesa do rio. Acesse a página!


 

Saber viver 


Instituição privada sem fins lucrativos situada na Ilha de Deus, uma comunidade de pescadores na cidade do Recife. Localizada no estuário da Bacia do Pina, entre os bairros da Imbiribeira, Pina e Boa Viagem, na confluência dos rios Tejipió, Pina e Jordão, é uma das maiores áreas de mangue em zona urbana do Brasil, e um dos últimos resquícios desse  ecossistema na cidade do Recife. A ONG tem como missão capacitar e sensibilizar jovens e suas famílias para limpeza dos rios e o reflorestamento do manguezal. Acesse o site!

 

arte


 

Águas errantes: uma narrativa sobre o rio Tamanduateí, a cidade e a arte

 

Berta de Oliveira Melo, 2017. Dissertação de Mestrado.

“A pesquisa se propõe a investigar de modo ensaístico a articulação entre a arte, a cidade e as águas. O recorte escolhido foi o rio Tamanduateí devido a sua importância na história de São Paulo e ao rico material de representações artísticas existente sobre ele. (...) Reunir os diversos olhares e temporalidades sobre o rio pretende ser uma maneira de compreender com mais profundidade as transformações desse lugar e sua importância na reflexão sobre a metrópole.” Acesse o PDF!


 

Duo Paisagens Móveis

 

Paisagens Móveis é um duo feminino de arte, composto pelas artistas Bárbara Lissa e Maria Vaz, ambas com trajetória nas Letras e nas Artes Visuais, atualmente mestrandas em Artes pela UFMG/EBA. O duo trata da relação entre a memória individual e coletiva, suas lacunas, apagamentos e ficções poéticas, dentro do universo familiar e do espaço urbano. Acesse o site!


 

Entre rios e ruas

 

Reflexão poética sobre as relações entre cidade, paisagem, meio ambiente e indivíduo, realizada pela artista Isabela Prado. Um dos desdobramentos é o projeto “Sobre o Rio”, que tem por objetivo sinalizar todos os córregos escondidos de Belo Horizonte. Até o momento, foi produzida a sinalização de todos os afluentes do Ribeirão Arrudas dentro do perímetro da Avenida do Contorno. Acesse a página! 

 

 
Festival Águas Gerais


Organizado pelo Bloco Pena de Pavão de Krishna, o festival Águas Gerais – Arte, Agroecologia e Espiritualidade, celebra a preservação da água, natureza e meio ambiente. Em sua terceira edição, em um formato totalmente online, o evento contou com uma programação que contemplou shows, oficinas, rodas de conversa e feiras, com o objetivo de chamar a atenção para a conscientização e preservação das águas que circundam Belo Horizonte, Minas Gerais e o Brasil. Acesse o site!

Francis Alÿs

 

Francis Alÿs é um artista belga que vive no México. Seu trabalho busca uma abordagem interdisciplinar da arte, a arquitetura e a prática social, incluindo pinturas, fotografias, escritos, animação e vídeos. Acesse o site!


 

Visitas Salgado Filho


Visitas foi um projeto realizado no Salgado Filho, bairro margeado pelo Ribeirão Arrudas, durante o segundo semestre de 2015. Foram realizadas visitas aos moradores para conversar sobre a história de suas vidas naquele bairro, bem como conhecer os modos como se organizam, inventam e constroem o espaço cotidiano. As visitas foram retratadas através de textos, entrevistas, desenhos e pinturas. Acesse o site!

 

pedagógico 

 
 
Águas na cidade

 

Águas na Cidade é um projeto do grupo de pesquisa Morar de Outras Maneiras (MoM), da Escola de Arquitetura da UFMG. Surgiu a partir de um projeto de extensão em parceria com a Escola Municipal Professor Edson Pisani (Empepi), no Aglomerado da Serra. O objetivo do projeto foi a discussão acerca da dinâmica das águas nas cidades, a partir da inserção da Empepi na microbacia do córrego do Cardoso, bem como o desenvolvimento de material pedagógico acerca do tema. Acesse o site! 


 

Água, sua linda

 

Quanta água ainda temos? Vamos ter água amanhã? Quais os planos de longo prazo para nossos recursos hídricos? “Água, sua linda” é uma webpage destinada à difusão de informação acessível para todos sobre as fontes de água e soluções para lidar com os recursos hídricos a longo prazo. Na página você encontrará infográficos, tirinhas, dentre outros conteúdos informativos em linguagem acessível. Acesse a página!


 

às margens

 

às margens é um coletivo criado em 2015, em Belo Horizonte. Desde então, vem atuando na criação de ferramentas pedagógicas alternativas para trocas de saberes sobre os territórios. Por meio da realização de expedições, oficinas, criação de jogos e outras interfaces, o coletivo busca suscitar e experimentar outros modos de viver e de se relacionar com a natureza. Acesse o site!


 

Cartilha “9 dicas para nadar nos rios de Belo Horizonte” 

 

Coletivo às margens, 2016.

Esta cartilha foi parte do URBE URGE, uma realização da PISEAGRAMA com o BDMG Cultural, no sentido de ampliar o debate e tornar acessíveis informações acerca de 7 questões urgentes das cidades, com foco em Belo Horizonte: Segurança, Mobilidade, Águas, Espaço Público, Lixo, Habitação e Agroecologia. Acesse o PDF!

 

filmes e vídeos


 

A cidade para poucos (2005)

 

Vídeo produzido a partir do texto de João Sette Whitaker, “A cidade para poucos: breve história da propriedade urbana no Brasil”. Nisiane Madalozzo e Renato Dombrowski. 14min. Assista no youtube!


 

Bairro Buritis (2015)

 

Curta-metragem sobre o bairro Buritis. Histórias, personagens, imagens e memórias do bairro. Cinear Produções. 6min. Assista no youtube! 


 

Beiras d’água

 

Beiras d'água é um acervo colaborativo de conteúdo audiovisual conectado pelas águas do Rio São Francisco. É composto por filmes feitos nas beiras dos rios, riachos e veredas que compõem a Rede Hidrográfica do Velho Chico. Construído de forma colaborativa, qualquer pessoa ou organização pode cadastrar um item no acervo. Acesse o acervo!


 

Don’t cross the bridge before you get to the river (2008)

 

No dia 12 de agosto de 2008, uma fila de crianças, cada uma carregando um barco feito de sapato, sai da Europa em direção ao Marrocos, enquanto uma segunda linha de crianças com botes sai da África em direção à Espanha. As duas linhas se encontrarão no horizonte. Francis Alÿs. 7min. Assista aqui!


 

Em busca da vida (2006)

 

Um filme sobre expulsões forçadas, cidades em ruínas e barragens na China do século XXI. Um trabalhador da construção civil chega a cidade de Fengjie para destruir paredes e tomar chá com outros operários, enquanto prepara o território para ser inundado. Direção: Jia Zhangke. 1h 48min. Assista no youtube e leia o texto crítico escrito por Frederico Canuto!


 

Felicidade (2017)

 

Retrato cotidiano do bairro Jardim Felicidade, na zona norte de Belo Horizonte, a partir das relações entre seus habitantes, o córrego Tamboril e suas nascentes. Ana Lúcia Azevedo, André Di Franco, Felipe Carnevalli, Gustavo Jardim, Isabela Izidoro, Péricles Brandão Pinto, Pollyana Oliveira. 10 min. Assista no youtube!


 

Iracema - Uma transa amazônica (1975)

 

Um drama documental sobre o impacto nas populações da selva amazônica provocado pela rodovia Transamazônica. Orlando Senna, Jorge Bodanzky. 1h35min. Assista no youtube!


 

Missão Perséfone (2020)

 

Ano 3020, a humanidade completa 1000 anos em um corpo celeste localizado na constelação austral da baleia, conhecido como Superterra por seus habitantes. Karim Aïnouz. 10min. Assista aqui e leia o texto crítico sobre Karim Aïnouz escrito por Frederico Canuto!


 

Nove águas (2019)

 

Fugindo da seca, da fome e da violência no campo, a história de luta por água e terra protagonizada pelos moradores do Quilombo Marques, no Vale do Mucuri, em Minas Gerais. Gabriel Martins. 25min. Assista no youtube!


 

Nunca é noite no mapa (2016)

 

Que diferença faz para o mapa, se ele te contem? Um encontro frontal com o mapa, nos leva a um passeio pelo circuitos da simbiose entre o mapa e as transformações dos espaços na era do capitalismo digital. Ernesto de Carvalho. 6min. Assista no vimeo!


 

Paisagem danada (2020)

 

Série de vídeos que agregam imagens aéreas de diversas fontes e lugares do quadrilátero ferrífero, em Minas Gerais, operando no limite entre o hiper-realismo maquínico e as dores de um espaço violentado pela devastação dos recursos naturais, da terra e da água. Lucas Bambozzi. Assista aqui!


 

Recife frio (2009)

 

Um meteorito cai sobre Recife e a cidade torna-se fria, com baixas temperaturas. A região sofre com os efeitos deste acontecimento sobrenatural, e deixa de ser tropical para incluir pinguins em sua fauna. Kleber Mendonça Filho. 24min. Assista aqui!


 

Saneamento básico (2007)

 

Moradores batalham para conseguir tratamento de esgoto na pequena vila onde vivem, e descobrem que não há verbas para solucionar o problema. Jorge Furtado. 1h52min. Assista ao trailer!


 

También la lluvia (2010)

 

Um filme que faz convergir a invasão das Américas por colonizadores no século XVI e a disputa pela não privatização da água na Bolívia no século XXI, levando a pensar as coincidências em ambos os projetos. Icíar Bollaín. 1h43min. Assista no facebook e leia o texto crítico sobre o filme escrito por Frederico Canuto!


 

Território ocupado (2018)

 

Adolescentes da vila pesqueira Garapuá investigam a chegada de empreendimentos turísticos em sua comunidade, refletindo sobre a preservação do território e identidade. Realizado coletivamente pelos jovens das oficinas "Cinema e Sal", projeto de Cinema Comunitário e Educação Popular no arquipélago de Cairu-Bahia. 15min. Assista no youtube!


 

Um lugar ao sol (2009)

 

Moradores ricos que vivem acima de favelas discutem uma vida onde o privilégio cria sua própria realidade. Gabriel Mascaro. 1h11min. Assista no youtube!


 

Viajo porque preciso, volto porque te amo (2009) 

 

Um geólogo é enviado para uma região isolada no Nordeste do Brasil para o levantamento de fontes de água, mas começa a sentir a sensação de abandono e solidão. Marcelo Gomes e Karim Aïnouz. 1h11min. Assista no youtube e leia o texto crítico sobre Karim Aïnouz escrito por Frederico Canuto!  


 

Watercolor (2010)

 

Da terra aos mares, Alÿs experimenta soberanias políticas pela imagem via performances mínimas maximizadas. Francis Alÿs. 1min. Assista aqui!


 

When faith moves mountains (2002)


Quinhentos voluntários com pás se reúnem em uma enorme duna de areia nos arredores de Lima, Peru, e ao longo de um dia a movem vários centímetros. Francis Alys. 15 min. Assista aqui!

 

literatura 

 
 
Poemas de Ana Martins Marques, no "Livro das semelhanças"

Leia os poemas em PDF!


 

Trecho do livro "A queda do Céu", de Davi Kopenawa e Bruce Albert 

Leia o trecho em PDF!


 

Trecho do conto "Chuva: a abensonhada", de Mia Couto

Leia o trecho em PDF!


 

Mito tupinambá transcrito no livro de Alberto Mussa, "Meu destino é ser onça"

Leia o mito em PDF!


 

Trecho de Carta de Pero Vaz de Caminha

Leia o trecho em PDF!


 

Poema "Conheço vocês pelo cheiro", de Ricardo Aleixo

Leia o poema em PDF!


 

Trecho do livro "Notas Sobre a Pesca Do Xaréu: Folclore e Compromisso Religioso", do antropólogo Júlio Santana Braga

Leia o trecho em PDF!


 

Poema "Escuridões" de Neida Almeida

Leia o poema em PDF! 


 

Trecho do conto "A terceira margem do rio", de João Guimarães Rosa

Leia o trecho em PDF!


 

Poema "Pastoral da Ribeira" de Nina Rizzi, no livro "Nossos poemas conjuram e gritam"

Leia o poema em PDF!


 

Poema "Pedra, pau, espinho e grade", de Conceição Evaristo, no livro “Poemas da recordação e outros movimentos”

Leia o poema em PDF!


 

Trecho do conto "Inundação", de Mia Couto

Leia o trecho em PDF!


 

Poema “A orquestra da natureza”, de Maria Esther Maciel

Leia o poema em PDF!


 

Cantiga das lavadeiras

Leia em PDF!


*Os trechos e poemas dessa sessão foram selecionados pelo “Gabinete de criação pictórica desejante sensório-artesanal de apreensão de impulsos perspectivos de fatos imponderáveis da vida” para serem lidos durante a performance “Lavar o mal”, realizada pelo grupo pinturas de território. A performance está disponível online, você pode assistir na aba "debates" do site ou em nosso canal do youtube.

 

legislações


 

Código Florestal - Lei nº 12.651/2012

 

Novo Marco Legal do Saneamento Básico -  Lei nº 14.026/2020

 

Lei das Águas do Brasil -  Lei nº 9.433/1997

 

Regulamento IGAM - Decreto nº 47866

 

Plano Diretor de Belo Horizonte - Lei nº 11.181/19

 

Código de obras BH - Lei nº 9725/2009

 

Estação ecológica Cercadinho - Lei nº 15979/2006 e Lei nº 18042/2009


APE Cercadinho - decreto nº 32017

 

órgãos e instituições


 

Agência Nacional de Águas – ANA

 

Criada pela Lei nº 9.984/2000, a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) é a agência reguladora dedicada a fazer cumprir os objetivos e diretrizes da Lei das Águas do Brasil, a Lei nº 9.433/1997. Atua na regulação, monitoramento, aplicação da lei e planejamento dos recursos hídricos a nível nacional. Acesse o site!


 

CBH Rio das Velhas

 

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas – CBH Rio das Velhas, tem por objetivo promover, no âmbito da gestão de recursos hídricos, a viabilização técnica e econômico-financeira de programa de investimento e consolidação da política de estruturação urbana e regional, visando ao desenvolvimento sustentado da Bacia. No site você encontrará informações sobre o comitê e suas ações, mapas e estudos sobre a Bacia HIdrográfica do Rio das Velhas. Acesse o site!


 

Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA

 

O Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA é o órgão consultivo e deliberativo do Sistema Nacional do Meio Ambiente – SISNAMA, foi instituído pela Lei 6.938/81, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, regulamentada pelo Decreto 99.274/90. O Conselho é um colegiado de cinco setores: órgãos federais, estaduais e municipais, setor empresarial e entidades ambientalistas. Acesse o site!


 

Instituto Mineiro de Gestão das Águas – IGAM


O IGAM foi criado em 17 de julho de 1997, sendo vinculado à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD). No âmbito federal, a entidade integra o Sistema Nacional de Meio Ambiente (Sisnama) e o Sistema Nacional de Recursos Hídricos (SNGREH). Na esfera estadual, o IGAM integra o Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) e o Sistema Estadual de Recursos Hídricos (SEGRH). Acesse o site!

 

Este projeto foi realizado com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte. Projeto nº1243/2017.

fale com o projeto:

corregosvivos@gmail.com