pinturas de território

A partir de um levantamento de artistas que vivem na bacia do Córrego Cercadinho ou têm relação com a região, Cleber Santana, Fábio Silva e Agnaldo Canuto foram convidados a participar da Mostra. Cleber, pintor e escultor que vive no bairro Palmeiras, preparou esculturas, a partir de isopor e cimento, de pássaros que vê cotidianamente no córrego Cercadinho, uma família de saracuras-do-brejo e uma garça. Fábio, pintor "aventureiro", como ele se apresenta, e violinista, morador do bairro Estrela d'Alva, tem o costume de tocar seu violino à beira do córrego. Participou com Olívia Viana de um diálogo pictórico, partindo de fotografias da paisagem da região produzidas pela artista. Agnaldo é pintor e mora no Morro das Pedras. Durante a infância, frequentava o córrego Cercadinho com as tias que lavavam roupa naquelas águas, e produziu uma série de pinturas explorando essas memórias. 

 

As artistas do grupo exploraram o eixo entre as aflições e os alentos - desde as ocupações agressivas e exploração sem limites, dessas paisagens terríveis às possibilidades de paisagens fantásticas, utópicas e de cura. Além das próprias produções, o “Gabinete de criação pictórica desejante sensório-artesanal de apreensão de impulsos perspectivos de fatos imponderáveis da vida”, criado pelo grupo Pinturas de Território, recebeu encomendas das expedicionárias do grupo Jardins Viventes, para retratar paisagens avistadas durante suas viagens. Os trabalhos das pintoras do projeto e artistas locais integram exposição projetada em um muro do bairro Estrela Dalva durante a Mostra.